A relação de moda e cinema já é antiga. Desde Audrey Hepburn aparecendo em “Breakfast At Tiffany’s” vestida de Givenchy, até os bastidores de uma revista de moda em “O Diabo Veste Prada”. Porém, a Disney ainda não havia explorado esse universo até recentemente, com o lançamento do live-action de “Cruella”, que envolve drama, aventura e 277 figurinos desenvolvidos especialmente para as personagens.

O filme traz a trama de uma jovem chamada Estella, interpretada por Emma Stone, que é extremamente criativa, ousada e tem o sonho de trabalhar no mundo da moda como estilista. Ela faz amizade com dois vigaristas, Horace e Jasper, que juntos acabam por formar uma família. Já adulta, Estella consegue um trabalho na loja de departamento londrina Liberty e desperta a atenção da Baronesa Von Hellma, interpretada por Emma Thompson, uma ambiciosa estilista. A trama mostra todo o contexto que faz com que Estella se torne, enfim, a Cruella De Vil.

 

Figurinos: um capítulo a parte

Imagem: Disney
Imagem: Disney
Imagem: Disney

Jenny Beavan, a estilista britânica responsável pela criação dos looks mais icônicos do filme,  declarou que trouxe referências de estilistas renomados, como Vivienne Westwood, Alexander McQueen e John Galliano, além de muitas peças que foram garimpadas em brechós de Londres e Los Angeles para caracterizar perfeitamente à época efervescente do punk. A estilista ficou encarregada de criar as 45 roupas da protagonista Estella e da antagonista e vilã, Baronesa. As produções criadas para a antagonista foram inspiradas na moda dos anos 50 e 60 principalmente na estética do New Look de Christian Dior, que estava em ascensão na época. Com apenas 16 semanas para criar todas as peças estruturadas e cheias de detalhe, Jenny conta que esse foi seu maior desafio ao desenvolver o figurino do live-action.

Imagem: Disney
Imagem: Disney
Imagem: Disney
Imagem: Disney

E as produções surpreendem. A protagonista usou um vestido de 393 metros de organza, além de uma outra peça feita com jornais que tinha aproximadamente 12 metros de calda e foi inspirada na icônica produção da italiana Elsa Schiaparelli, em 1935, que na época desenvolveu uma estampa a partir de recortes de jornais com elogios a si mesma.  A versão usada por Cruella era um afronte à Baronesa, que remetia ao upcycling criado a partir de retalhos e tecidos descartados pela estilista.

Imagem: Disney

O live-action não deixa a desejar para os fãs de Disney e de moda, pois conta com cenas memoráveis na narrativa da linha do tempo de Cruella no passado e como ela se tornou a histórica vilã do enredo do filme infantil “101 Dálmatas”. Vale a pena assistir de novo para notar cada detalhe das produções!