Por Erika Paiva

     @erikapaiva_consultoria

Antes de começar a ler essa matéria, peço que olhe ao seu redor. Independente da modelagem ou estilo, tenho certeza que a única coisa em comum entre as vestimentas das pessoas é o tecido. Ele representa o ato de tecer fibras e está presente em nosso cotidiano, apesar de muitas vezes não darmos a devida atenção. O mais interessante é que o tecido é uma das coisas mais antigas que existem, pois seus primeiros fragmentos que se tem conhecimento são datados de 6,5 mil A.C!

Os tecidos sempre foram fundamentais para a moda e têm uma relação muito profunda com a modelagem e a mensagem que transmitem. Se olharmos um pouco para a sua historia, veremos que eles tinham um papel importantíssimo para a divisão social. Na Idade Média, por exemplo, apenas pelo tipo de tecido sabíamos quem era nobre, clero e plebe.

Outra coisa que me chama atenção é como os eles foram sendo usados ao longo dos anos e o que significavam. No passado, a seda, tecido encontrado na China com uma produção natural (pelo bicho da seda), era caríssimo e quem o tinha era considerado muito rico. Hoje, porém, com a sustentabilidade em pauta, seu uso passou a ser algo negativo.

Existem diversos tipos de tecidos e fibras no mercado têxtil, cada um com suas características e particularidades que possibilitam criações específicas. Mas, vocês sabem quais são os tipos de tecidos? Confira os três tipos de fibras: Naturais, Sintéticas e Artificiais.

Naturais

São aquelas encontradas na própria natureza. São classificadas em mineral, vegetal e animal, dependendo da sua origem. Exemplos: algodão, linho, couro, lã e seda.

Por serem naturais, geralmente tem uma resistência melhor, sua duração é muito maior e são super confortáveis. O linho e o algodão são ótimos, pois permitem a respiração da pele. O problema é que eles amassam mais e podem perder a cor com facilidade.

Artificiais

Muitas pessoas tem preconceito com esse tipo de fibra. Mas, com o avanço tecnológico, elas possuem excelente qualidade. Esses tecidos são fabricados pela indústria têxtil e apresentam em sua composição algum elemento natural que vira uma fibra. Alguns exemplos são: viscose, acetato e lyocel.

São materiais resistentes e sua grande vantagem é que não amassam com facilidade. Porém, deve-se ter cuidado com esse tipo de material na hora de passar, já que não resistem a altas temperaturas.

Sintéticas

A sintética é obtida pela produção têxtil por meio de produtos químicos, como o petróleo. Esses tecidos são os mais encontrados no mercado, são eles: poliéster, poliamida e elastano. Eles são extremamente resistentes e quase não desbotam e ou amassam. O lado negativo é que podem causar algumas alergias e não deixam a pele respirar, acumulando o suor.