Renato Augusto veste Ricardo Almeida
Renato Augusto (Foto: Lucas Figueiredo)

Por Raíssa Zogbi

Escolhido pela CBF para resgatar a sofisticação da época de ouro do futebol brasileiro, o estilista Ricardo Almeida foi o responsável pelo traje personalizado de cada atleta e integrante da comissão técnica nos eventos que envolvem a Copa do Mundo “Os jogadores não perderão a própria personalidade e a essência do universo esportivo ao usar uma alfaiataria”, explica Ricardo Almeida.

A coleção

O costume (blazer e calça), de acordo com ele, foi produzido em 100% lã fria, composta por fios azul royal e preto, que revelam um novo tom de azul marinho que muda conforme a luz. O forro do blazer foi a grande homenagem: estilista criou uma padronagem de jacquard inspirada no construtivismo russo, uma estética que sintetiza as imagens em formas geométricas simples. Assim, quem observa o forro consegue ver as taças e os anos que a seleção brasileira foi campeã. Acompanhe a entrevista.

Marquinhos veste Ricardo Almeida
Marquinhos (Foto: Lucas Figueiredo)

Como surgiu esse vínculo com a seleção?
Na verdade não foi um vínculo, mas um conhecimento de marca e do meu trabalho, pois o Tite e Neymar, por exemplo, já eram meus clientes. Então, quando houve essa ideia do Edu Gaspar (coordenador técnico da seleção) em resgatar os tempos áureos da seleção de futebol nos anos 1950 e 1960, momento que todos se apresentavam de alfaiataria e de um jeito mais elegante, o meu nome foi citado internamente para concorrer ao projeto. Levei 4 propostas criativas de alfaiataria, tanto para jogadores quanto para comissão técnica, além da proposta de todos os trajes serem sob medida. O projeto foi super bem aceito.

Existia alguma exigência na criação das peças?
Não, mas havia a questão da sofisticação sem excessos. Entendemos a abordagem do resgate da elegância dos tempos de ouro da seleção e levamos isso com a linguagem da minha marca e da minha assinatura de estilo, que é a modelagem slim fit e tecidos de alta qualidade.

Qual foi sua maior inspiração para modelagem, cores, cortes?
A inspiração foi o Brasil, não teve jeito, né? Mas, levamos para o forro a inspiração do construtivismo russo, que passa a mensagem de forma simples. No forro coloquei as taças e os anos que ganhamos a copa do mundo.

Como foi a relação com os jogadores? Eles opinaram no processo de criação?
A relação com os jogadores e comissão técnica foi a melhor parte! Todos muito animados, muito humildes e com uma energia maravilhosa. Tenho certeza que vamos ganhar essa copa. Vamos dar um show em campo e em estilo!

Vai haver algo para o público dessa linha?
Vamos comercializar a alfaiataria com o forro e camisaria desse projeto (sem o brasão, claro!), mas somente para o sob medida. Não vamos ter peças prontas. Vai ser algo exclusivo mesmo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

seis − dois =