Se você ainda acha que frio e o tempo seco de inverno são sinônimos de pele ressecada, é melhor voltar a consultar seu dermatologista. “À medida que as temperaturas caem durante os meses mais frios, a umidade do ar também cai e isso deixa a pele mais seca, o que se agrava mais com alguns hábitos como banho quente, falta de uma rotina de cuidados e má alimentação”, diz a Dra. Mônica Aribi, dermatologista, sócia efetiva da Sociedade Brasileira de Dermatologia, da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica e International Fellow da Academia Americana de Dermatologia. “Além disso, um dos maiores mitos sobre a hidratação da pele é que a pele oleosa não precisa ser hidratada, ou até mesmo que não pode ser hidratada, pelo receio de que o hábito cause espinhas e cravos. Oleosidade é diferente de hidratação: enquanto o primeiro se refere ao excesso de sebo, o segundo trata da quantidade de água na pele. Além disso, diferentes tratamentos para acne e pele oleosa ressecam muito a pele, havendo ainda mais a necessidade de hidratá-la. Pacientes com pele oleosa também sofrem com ressecamento no inverno e devem hidratar a pele”, alerta a médica. Abaixo, a Z separou dicas com a especialista para manter a pele intacta no frio:

Rotina de cuidados: “Aplicar um creme ou gel hidratante é a forma mais direta de impactar a pele, conferindo alívio imediato e evitando a perda de água transepidermal. Dependendo do hidratante, ele pode funcionar por oclusão, umectação ou de maneira ativa”, diz a médica. “Na hidratação por oclusão, os ativos presentes no cosmético são capazes de promover uma redução da evaporação da água no estrato córneo e manter a umidade das camadas mais profundas, graças à presença de óleos. Ela é mais indicada para peles secas. No caso da umectação, mais indicada para peles oleosas, as substâncias do produto retêm a umidade do ar e assim podem utilizá-la para a hidratação da pele, promovendo então a emulsão natural da pele. A hidratação ativa o que chamamos de emulsões, que misturam os dois mecanismos anteriores. Esse processo possui uma fase lipídica, responsável por promover a oclusão, e uma fase aquosa com ingredientes higroscópicos, capazes de proporcionar a hidratação. Na composição desses cosméticos, são encontrados aminoácidos, ureia e ácido hialurônico, que são considerados hidratantes biológicos. As peles que mais se beneficiam desse tipo de ação são as normais e secas”, conta a médica. “Dessa forma, é muito importante que as peles mais secas apostem em cremes mais ricos e nutritivos, com ômegas em associação a ingredientes clássicos como ácido hialurônico; enquanto isso, as peles oleosas devem usar produtos que confiram hidratação prolongada, mas controle do brilho, geralmente em versões oil-free”, explica.

Cuidados no banho: Pode até ser prazeroso, mas o banho longo e quente tende a deixar sua pele ainda mais seca. “O banho deve ser curto e na temperatura certa, mais intermediária. Aproveite os minutos depois do banho, em que a pele ainda está mais receptiva, e aplique uma camada leve de óleo corporal, seguida por um creme ou loção para o corpo. Isso vai ajudar os hidratantes a penetrar”, explica ela.

Adicione uma máscara facial e capilar: Uma máscara hidratante é boa para a sua pele e pode servir como um ritual semanal que o ajudará a relaxar. “As máscaras são úteis porque são oclusivas, o que significa que introduzem vigorosamente os ingredientes hidratantes na pele. O mesmo vale para o seu cabelo”, diz a Dra. Mônica.

Não deixe de lado algumas áreas: Há uma solução fácil para as mãos, joelhos, cotovelos e pés ásperos no inverno. “O grande segredo é, após a esfoliação realizada durante o banho, aplicar um creme rico em ureia, óleos como o de abacate, macadâmia, amêndoas, maracujá ou uvas e manteigas como a de karité, cupuaçu ou manga. No caso dos pés, logo após hidratar, o paciente pode colocar meia de algodão por trinta minutos para aumentar a absorção dos ativos e potencializar a ação de hidratação, regeneração e nutrição local”, afirma a dermatologista. Nas mãos, a luva pode ser uma opção para fazer a oclusão e potencializar a ação dos ativos.

Resista ao desejo de lamber seus lábios: Se o seu lábio está ressecado, nada de passar a língua: o melhor a fazer é usar o hidratante protetor labial. “A saliva tem um pH mais ácido e isso leva uma dermatite constante que piora ainda mais o ressecamento. Há aquela sensação imediata de que houve um umedecimento da região, mas logo depois acontece a formação de microfissuras, de ardência e vermelhidão local”, afirma a médica. Ela recomenda usar hidratantes à base de vitamina E, pró-vitamina B5, de manteigas de karitê e cacau. “Portanto, devem ser formulações ricas em vitaminas e antioxidantes que ajudam no reparo no sentido de evitar a inflamação”, afirma.

Invista nas vitaminas orais: O consumo de frutas e vegetais ricos em água pode ajudar a hidratar a pele, pois eles fornecem hidratação a todas as células do seu corpo, segundo a Dra. Mônica Aribi. “A hidratação interna com ingestão de água adequada e alimentação natural e saudável hidrata de dentro para fora. Suplementos também podem ser recomendados pelos médicos. A maioria dos nutricosméticos possui em sua fórmula componentes como vitamina E, colágeno marinho, licopeno e betacaroteno, que podem ajudar tanto na hidratação como no fortalecimento da barreira da pele. O ômega 3, por exemplo, possui uma identidade com a membrana celular e promove hidratação de dentro para fora”, afirma a médica.

Melhore o ar do seu quarto: Juntamente com o ar seco do inverno, o calor do aquecedor é um dos principais fatores para diminuir a hidratação. “Para resolver esse problema, coloque um umidificador de ar no seu quarto. Sua pele vai agradecer pela manhã”, finaliza a médica.

Fonte: *DRA. MÔNICA ARIBI: Dermatologista, sócia efetiva da Sociedade Brasileira de Dermatologia, da Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica e International Fellow da Academia Americana de Dermatologia.

 

Siga a Z no Instagram. Basta clicar aqui!